" CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ "

sexta-feira, 29 de março de 2013

1 CORÍNTIOS 15








"SEMEIA-SE CORPO ANIMAL, RESSUSCITARÁ CORPO ESPIRITUAL" (1Cor 15,44).

CÂNTICO AO IRMÃO SOL



SAINT FRANCIS OF ASSISI
CÂNTICO AO IRMÃO SOL



            


Hino ao Irmão Sol
Altíssimo, omnipotente, bom Senhor
Teus são o louvor, a glória, a honra
E toda a benção
Só a ti, Altíssimo, são devidos.
E todo o homem é indigno
De pronunciar o Teu nome.
Louvado sejas, meu Senhor
Com todas as tuas criaturas,
Especialmente o senhor Irmão Sol,
Que nos traz o dia
E a luz que nos aquece
Ele que é belo e radiante                                          
No seu grande esplendor
E de ti, Altíssimo, é a imagem.
Louvado sejas, meu Senhor,
Pela Irmã Lua e as Estrelas,
Que no céu formaste
Preciosas e belas.
Louvado sejas, meu Senhor,
Pelo irmão Vento,
Pelo ar, e nuvens e tempestades
E todo o tempo
Com que às tuas criaturas dás sustento.
Louvado sejas, meu Senhor
Pela Irmã Água,
Tão útil e humilde
E preciosa e casta.
Louvado sejas, meu Senhor,
Pelo Irmão Fogo
Com que aqueces a noite,
Ele que é belo e agradável
E vigoroso e forte.
Louvado sejas, meu Senhor,
Por nossa irmã a Mãe Terra,
Que nos sustenta e governa
E produz frutos diversos
E flores coloridas e plantas
Louvado sejas, meu Senhor,
Pelos que perdoam por te amarem
E suportam enfermidades e tribulações.
Felizes, os que sofrem em paz,
E que por Ti, Altíssimo, serão coroados.
Louvado sejas, meu Senhor,
Por nossa Irmã Morte Corporal,
Da qual homem algum pode escapar.
Ai dos que morrem em pecado mortal
E bem-aventurados os que ela acha
Conformes à tua santíssima vontade,
Porque a segunda morte não lhes fará mal!
Louvai e bendizei ao meu Senhor,
E dai-lhe graças,
E servi-o com grande humildade.

S. Francisco de Assis, 1181-1226, Cântico ao Irmão Sol


CRUZ


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Uma cruz grega (reta, todos os braços de mesmo tamanho) seria um sautor ou o símbolo da Wehrmacht se estiver girada 45 graus.



Greek cross.svg
Uma cruz grega (reta, todos os braços de mesmo tamanho) seria um sautor ou o símbolo da Wehrmacht se estiver girada 45 graus.



A cruz (†), do latim cruce, é uma figura geométrica formada por duas linhas ou barras que se cruzam em um ângulo de 90°, dividindo uma das linhas, ou ambas, ao meio. As linhas normalmente se apresentam na horizontal e na vertical; se estiverem na diagonal, a figura é chamada de sautor, ou aspa.
A cruz é um dos símbolos humanos mais antigos e é usada por diversas religiões, principalmente a católica, embora nem todos os cristãos a usem como símbolo, pois consideram que Jesus Cristo foi pregado em uma estaca de tortura,por levarem em conta a tradução original das escrituras (gregas),que levava a palavra stau·rós (em grego) que significa estaca reta,ou madeiro.
Na subcultura gótica, este símbolo geralmente é a representação do sofrimento, dor ou angústia..
Provavelmente esta definição tenha o sentido original, já que em Roma antes mesmo da morte de Cristo, era usado para esta finalidade. Uma das formas de condenação à morte consistia em atar ou pregar condenados em uma cruz, fazendo os mesmos padecer terrivelmente.

Ver também: crucificação


                                              
Cruz de Tau, usada pelos franciscanos no cristianismo.




Cruz de Tau, usada pelos franciscanos no cristianismo.
Algumas das imagens mais antigas de cruzes foram encontradas nas estepes da Ásia Central e algumas em Altai. A cruz na velha religião altaica chamada Tengriismo simboliza o deus Tengri; ela não era uma cruz alongada, lembrava mais um sinal de adição (+). [carece de fontes]
Os primeiros livros cristãos da Armênia e da Síria traziam evidências de que a cruz se originou com povos nômades do leste, possivelmente uma referência aos primeiros povos turcos. Em velhos templos armênios, algumas influências de estilo turco são encontradas nas cruzes. [carece de fontes]
[editar]No cristianismo


A Cruz é o símbolo mais conhecido do cristianismo. Ela simboliza a morte de Jesus na Vera Cruz.
Um dos símbolos mais utilizados na religião é a cruz. A Encyclopædia Britannica chama a cruz de “o principal símbolo da religião cristã”. Num julgamento em tribunal na Grécia, a Igreja Ortodoxa Grega chegou a afirmar que aqueles que rejeitam a "Santa Cruz" não são cristãos.
O possível instrumento da morte de Jesus é mencionado em textos bíblicos como Mateus 27:32 e 40. Ali, a palavra grega stau·rós é traduzida por “cruz” porém,a palavra stau·rós significa no idioma original (grego) estaca reta ou madeiro [estaca de tortura],pelo fato do simbolo (cruz) ser cativamente conhecido em roma,ele foi adotado como simbolo de sacrifício pela Igreja Católica,fazendo assim popular mesmo antes de ser adotada como simbolo de sacrifício de Jesus Cristo. Esse erro de tradução foi cometido em várias Bíblias em português e diversos idiomas.
“Encontraram-se diversos objetos, datando de longos períodos anteriores à Era Cristã, marcados com cruzes de feitios diferentes, em quase cada parte do mundo antigo. A Índia, a Síria, a Pérsia e o Egito produziram todos inúmeros exemplos, ao passo que em quase toda a parte da Europa se encontraram numerosos casos, datando desde a parte posterior da Idade da Pedra até os tempos cristãos. O uso da cruz como símbolo religioso em tempos pré-cristãos e entre povos não-cristãos provavelmente pode ser considerado como quase universal, e em muitíssimos casos ligava-se a alguma forma de culto da natureza.” — The Encyclopœdia Britannica, 1946, Vol. 6, página 753.
A palavra grega traduzida por cruz na tradução Bíblica das Testemunhas de Jeová, a Tradução do novo mundo das escrituras sagradas é "estaca de tortura" (extraído de σταυρός "stau-rós"). No grego "estaca reta", "poste" ou "madeiro". Alguns condenados levavam um "madeiro" nas costas até o local do seu
suplício, este madeiro era a parte horizontal e seria suspendida na parte vertical que já estaria fixado no local.



          
A Cruz é o símbolo mais conhecido do cristianismo. Ela simboliza a morte de Jesus na Vera Cruz.



Também a Bíblia Judaica Completa do teólogo judeu David H. Stern usa o termo estaca e estaca de Execução toda vez em que aparece a palavra grega σταυρός(staurós)(como exemplo se pode ler na Bíblia Completa Judaica a palavra estaca em Mattiyahu[Mateus]27:40,e estaca de execução em Mattiyahu[Mateus] 10:38)
The imperial Bible-Divtionary reconhece isso dizendo: "A palavra grega para cruz, [stau.rós], devidamente significa uma estaca, um poste reto, ou pedaço de ripa, em que algo podia ser pendurado, ou que poderia ser usado para estaquear [cercar] um pedaço de terreno.... Até mesmo entre os romanos a crux(da qual se deriva nossa cruz) parece ter sido originalmente um poste reto" - Editado por P.Fairbairn, (londres,1874),Vol.I,p. 376.
O livro The Non-Christian Cross (A Cruz Não-Cristã), de John Denham Parsons, declara: “Não existe uma única sentença em qualquer dos inúmeros escritos que formam o Novo Testamento que, no grego original, forneça sequer evidência indireta no sentido de que o stauros usado no caso de Jesus fosse diferente do stauros comum; muito menos no sentido de que consistisse, não em um só pedaço de madeira, mas em dois pedaços pregados juntos em forma de uma cruz. . . . É um tanto desencaminhante, da parte de nossos mestres, traduzirem a palavra stauros por ‘cruz’ ao verterem os documentos gregos da Igreja para a nossa língua nativa, e apoiarem tal medida por incluírem ‘cruz’ em nossos léxicos como sendo o significado de stauros, sem explicarem cuidadosamente que esse, de qualquer modo, não era o significado primário dessa palavra nos dias dos Apóstolos, que não se tornou seu significado primário senão muito depois disso, e só se tornou tal, se é que se tornou, porque, apesar da falta de evidência corroborativa, presumiu-se, por uma razão ou outra, que o stauros específico em que Jesus foi executado tinha esse determinado formato.” — Londres, 1896, pp. 23, 24.
Concernente aos cristãos do primeiro século, a obra History of the Christian Church diz: "Não se usava o crucifixio e nenhuma representação material da cruz."-(Nova Iorque,1897).J.F.Hurst,Vol.I,P.366. Durante o primeiro século do cristianismo, a cruz era raramente usada na iconografia cristã, uma vez que representa propositadamente um doloroso método de execução pública. O Ichthys, ou símbolo do peixe, era mais utilizado pelos primeiros cristãos.
No entanto, o símbolo da cruz já foi associado aos cristãos no segundo século, como é indicado nos argumentos anticristãos citados por Octavius [1], capítulos IX e XXIX, escrito no final do mesmo século ou no início do próximo[2], até o início do terceiro século a cruz tinha-se tornado tão estreitamente associada a Cristo que Clemente de Alexandria, que morreu entre 211 e 216, usou a ambiguidade da frase τὸ κυριακὸν σημεῖον (o sinal do Senhor) para significar cruz, pois a epístola apócrifa de Barnabé, tem o número 318 (em grego numerais, ΤΙΗ) em Gênesis 14:14 foi interpretada como uma numerologia para cruz (T, na posição vertical) e de Jesus (ΙΗ, as primeiras duas letras do seu nome ΙΗΣΟΥΣ, a posição dos 18),[3] e seu contemporâneo Tertuliano designou os crentes cristãos como crucis religiosi, ou seja "devotos da Cruz."[4] Em seu livro De Corona, escrito em 204, diz Tertuliano diz que já era uma tradição para os cristãos fazer em sua testa o sinal da cruz.[5] Muitos estudiosos consideram que a cruz teria sido adotada pelo cristianismo por seus próprios méritos, devido às suas conotações metafísicas, porém alguns historiadores sugerem que a cruz surgiu originalmente de um símbolo pagão:
A forma da [cruz de duas vigas] teve sua origem na antiga Caldeia e foi usada como símbolo do deus Tamuz (tendo a forma do Tau místico, a letra inicial de seu nome)naquele país e em terras adjacentes no Egito. Por volta dos meados do 3ºséc. A.D, as igrejas ou se haviam apartado ou tinham arrematado certas doutrinas da fé cristã. A fim de aumentar o prestígio do sistema eclesiástico apóstata, aceitavam-se pagãos nas igrejas, à parte de uma regeneração pela fé, e permitia-se-lhes em grande parte reter seus sinais e símbolos pagãos. Assim se adotou o Tau ou T, na sua forma mais frequente, com a peça transversal abaixada um pouco, para representar a cruz de Cristo.
—An Expository Dictionary of New Testament Words (Londres,1962), W.E.Vine,p.256
.
A Enciclopédia Judaica diz:
A cruz como um símbolo cristão (...) entrou em uso pelo menos no segundo século (ver "apost. Const." Iii. 17; epístola de Barnabé, XI.-xii.; Justin, "Apologia", i . 55-60; "Dial. cum Tryph". 85-97) e à marcação de uma cruz sobre a testa e do tórax foi considerado como um talismã contra os poderes dos demônios (Tertuliano, "De Corona", iii.; Cipriano, "Testemunhos", xi. 21-22; Lactantius, "Divinae Institutiones," iv. 27, e outros). (...)

[editar]Na heráldica

Ficheiro:Azure-Cross-Or-Heraldry.svg
Tais cruzes são empregadas exclusiva ou principalmente em heráldica. Seguem alguns exemplos de cruzes heráldicas.
Tipo de cruz Descrição Imagem
Cruz heráldica
A cruz heráldica simples apresenta braços de mesmo comprimento, acompanhando as proporções do escudo.

Cruz em trevo
Com as extremidades dos braços em forma de trevo.
Cross-Bottony-Heraldry.svg



Cruz recruzada

Cross-Crosslet-Heraldry.svg


Cada um dos braços da cruz é barrado.



Cruz de Jerusalém

Cross-Jerusalem-Potent-Heraldry.svg

Foi a insígnia do Reino Latino de Jerusalém, que existiu por cerca de duzentos anos após a Primeira Cruzada. As quatro cruzetas nos cantos simbolizariam ou os quatro Evangelhos ou as quatro direções nas quais a Palavra de Cristo se espalhou, a partir de Jerusalém. Ou as cinco cruzes podem simbolizar as cinco chagas de Cristo durante a Paixão.



Cruz florenciada

Cross-Flory-Heraldry.svg

As extremidades dos braços têm forma semelhante à flor-de-lis.



Cruz bifurcada (fourchée)

Cross-Fourchee-Heraldry.svg
Com as extremidades em forma de garfo.




Cruz de Malta
Maltese-Cross-Heraldry.svg
Seus braços estreitam na direção do centro e são chanfrados nas extremidades. Também conhecida como 
Cruz de São João.


Cruz ancorada (moline)

Cross-Moline-Heraldry.svg

Suas extremidades são divididas e as pontas resultantes são curvadas.


Cruz patonce

Cross-Patonce-Heraldry.svg

Intermediária entre a cruz pátea e a florenciada. Algumas fontes a chamam de Cruz floreada.



Cruz Pátea

Cross-Pattee-Heraldry.svg
Seus braços estreitam na direção do centro, mas não apresentam extremidades chanfradas.



Cruz de Cantuária

Cantercross.svg
Mais similar a Cruz Pátea, mas com braços convexos a sus extremidades. Asociada com a Igreja da Inglaterra.



Cruz bordonada (pommée)

Cross-Pommee-Heraldry.svg
Com as extremidades em forma de bordão.



Cruz potenteia

Cross-Potent-Heraldry.svg
Suas extremidades são barradas.




Cruz de Lorena

Croix de Lorraine.png


Uma cruz com dois barras horizontais. Este símbolo está associado com Lorena e França Livre, e também está presente em os brasões da Eslováquia, Hungria e Lituânia.



Quadrática

Quadrate.gif
Uma cruz com um quadrado no ponto de intercessão.



Cruz românica de consagração

Cross-Triple-Parted-Fretted-Or.svg

Tripla e entrelaçada.


Cruz oca

Cross-Voided.svg

Também conhecida como Gammadia, é uma Cruz Grega com a parte central dos braços removida. “Gamadia” vem da aparência de quatro letras gregas gama agrupadas.



Cruz de Santo André (decussata)


Flag of Scotland.svg

A cruz decussata, conhecida também pelos nomes de sautor ou cruz de Santo André, é um símbolo heráldico na forma de cruz diagonal ou na letra X. Segundo a tradição cristã, o apóstolo André foi martirizado em uma cruz desta forma. Este símbolo também está presente em várias bandeiras, brasões e selos como nas bandeiras da Escócia e Jamaica.


Cruz nórdica

Flag of the Faroe Islands.svg

Também conhecida como cruz escandinava, é um símbolo heráldico na forma de cruz com o braço a direita mais longa que os outros. Foi originalmente associado com a bandeira da Dinamarca, e é hoje presente nas bandeiras de todos os países escandinavos.



Ankh

Ankh.png

Também conhecida como cruz ansata, era na escrita hieroglífica egípcia o símbolo da vida. Conhecido também como símbolo da vida eterna. Os egípcios a usavam para indicar a vida após a morte.



Cruz da Igreja Ortodoxa

OrthodoxCross(black,contoured).svg

Uma cruz com dois barras horizontais, e uma barra diagonal. A barra diagonal aponta a esquerda porque o criminal virtuoso foi a esquerda de Jesus à sua crucifixão. Este símbolo está associado com a Igreja Ortodoxa Russa em particular.

Há diversas outras variações da cruz em heráldica.
[editar]Em bandeiras

Diversas bandeiras nacionais apresentam cruzes, inclusive as de todas as nações escandinavas. Vários países do Hemisfério Sul têm o Cruzeiro do Sul representado em suas bandeiras.
Bandeira da Austrália ("Union Jack" e o Cruzeiro do Sul)
Bandeira do Brasil (Cruzeiro do Sul)
Bandeira do Burundi
Bandeira da Dominica
Bandeira da Dinamarca (a Danebrogen)
Bandeira da Escócia
Bandeira da Finlândia
Bandeira da Grécia
Bandeira da Geórgia
Bandeira da Inglaterra
Bandeira da Islândia
Bandeira da Jamaica
Bandeira de Malta
Bandeira da Noruega
Bandeira da Nova Zelândia ("Union Jack" e o Cruzeiro do Sul)
Bandeira da Papua Nova Guiné (Cruzeiro do Sul)
Bandeira de Portugal
Bandeira do Reino Unido (a Union Jack)
Bandeira da República Dominicana
Bandeira de Samoa (Cruzeiro do Sul)
Bandeira da Suécia
Bandeira da Suíça
Bandeira de Tonga
Bandeira de Wallis e Futuna (bandeira da França)
[editar]Outras cruzes

O Cruzeiro do Sul (Crux) é uma constelação em forma de cruz no Hemisfério Sul.
A cruz mais alta, de 152,4 metros de altura, faz parte do Monumento Nacional de Santa Cruz del Valle de los Caidos, na Espanha.
Cruz Alta - município brasileiro do Rio Grande do Sul, Brasil.
[editar]Ver também

Cristianismo
Suástica


FRANCISCO DE ASSIS





Francisco de Assis
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Nascimento 5 de julho de 1182 em Assis
Morte 3 de outubro de 1226 em Assis
Veneração por Igreja Católica
Canonização 16 de Julho de 1228, Assis por Papa Gregório IX
Principal templo Basílica de São Francisco de Assis, Assis (Itália)
Festa litúrgica 4 de Outubro
Padroeiro animais
 Portal dos Santos
Giovanni di Pietro di Bernardone, mais conhecido como São Francisco de Assis (Assis, 5 de julho de 1182 [1] — 3 de outubro de 1226), foi um frade católico da Itália. Depois de uma juventude irrequieta e mundana, voltou-se para uma vida religiosa de completa pobreza, fundando a ordem mendicante dos Frades Menores, mais conhecidos como Franciscanos, que renovaram o Catolicismo de seu tempo. Com o hábito da pregação itinerante, quando os religiosos de seu tempo costumavam fixar-se em mosteiros, e com sua crença de que o Evangelho devia ser seguido à risca, imitando-se a vida de Cristo, desenvolveu uma profunda identificação com os problemas de seus semelhantes e com a humanidade do próprio Cristo. Sua atitude foi original também quando afirmou a bondade e a maravilha da Criação num tempo em que o mundo era visto como essencialmente mau, quando se dedicou aos mais pobres dos pobres, e quando amou todas as criaturas chamando-as de irmãos. Alguns estudiosos afirmam que sua visão positiva da natureza e do homem, que impregnou a imaginação de toda a sociedade de sua época, foi uma das forças primeiras que levaram à formação da filosofia da Renascença.[2]
Dante Alighieri disse que ele foi uma "luz que brilhou sobre o mundo", e para muitos ele foi a maior figura do Cristianismo desde Jesus, mas a despeito do enorme prestígio de que ele desfruta até os dias de hoje nos círculos cristãos, que fez sua vida e mensagem serem envoltas em copioso folclore e darem origem a inumeráveis representações na arte, a pesquisa acadêmica moderna sugere que ainda há muito por elucidar quanto aos aspectos políticos de sua atuação, e que devem ser mais exploradas as conexões desses aspectos com o seu misticismo pessoal. Sua vida é reconstituída a partir de biografias escritas pouco após sua morte mas, segundo alguns estudiosos, essas fontes primitivas ainda estão à espera de edições críticas mais profundas e completas, pois apresentam contradições factuais e tendem a fazer uma apologia de seu caráter e obras; assim, deveriam ser analisadas sob uma óptica mais científica e mais isenta de apreciações emocionais do que tem ocorrido até agora, a fim de que sua verdadeira estatura como figura histórica e social, e não apenas religiosa, se esclareça. De qualquer forma, sua posição como um dos grandes santos da Cristandade se firmou enquanto ele ainda era vivo, e permanece inabalada. Foi canonizado pela Igreja Católica menos de dois anos após falecer, em 1228, e por seu apreço à natureza é mundialmente conhecido como o santo patrono dos animais e do meio ambiente.

Juventude e conversão

Casa onde Francisco nasceu, Assis.
Era filho do comerciante italiano Pietro di Bernadone dei Moriconi e sua esposa Pica Bourlemont, cuja família tinha raízes francesas. Os pais de Francisco faziam parte da burguesia da cidade de Assis, e graças a negócios bem sucedidos na Provença, França, conquistaram riqueza e bem estar. Na ausência do pai, em viagem à França, sua mãe o batizou com o nome de Giovanni (João, em português, a partir do profeta São João Batista) na igreja construída em homenagem ao padroeiro da cidade, o mártir Rufino. A origem de seu nome Francesco (Francisco) é incerta. Para uns, depois de uma viagem à França, onde o menino teria ficado cativado pela vida francesa, sua música, sua poesia e seu povo, seu pai teria começado a chamá-lo de "francesco", que significa "francês" em italiano. Para outros seu pai teria feito, em vez, uma homenagem ao país natal de sua esposa, embora não haja provas de sua naturalidade francesa. Também foi sugerido que o nome foi dado por seu gosto pela língua francesa, que perdurou por toda a vida de Francisco e era em sua época a linguagem por excelência da literatura cavaleiresca e da expressão amorosa.


O nascimento de São Francisco. Pintura anônima na igreja do Convento de Santo Antônio da Paraíba
O menino cresceu e se tornou um jovem popular entre seus amigos, por sua indisciplina e extravagâncias, por sua paixão pelas aventuras, pelas roupas da moda e pela bebida, e por sua liberalidade com o dinheiro, mas mostrava uma índole bondosa. Era nessa época fascinado pelas histórias de cavalaria, e desejava ganhar fama como um herói. Assim, em 1202 alistou-se como soldado na guerra que Assis desenvolvia contra Peruggia, mas foi capturado e permaneceu preso, à espera de um resgate, por cerca de um ano. Ao ser libertado caiu doente, com episódios de febre que duraram quase todo o ano de 1204. Ali se apresentaram as duas afecções que o acompanharam por toda a sua vida: problemas de visão e no aparelho digestivo.
Depois de recuperado tentou novamente a carreira das armas, engajou-se em 1205 no exército papal que lutava contra Frederico II, incentivado por um sonho que tivera. Nele apareceu-lhe alguém chamando-o pelo nome e levando-o a um rico palácio, onde vivia uma linda donzela, e que estava cheio de armas resplandecentes e outros apetrechos de guerra. Indagando de quem eram essas armas esplêndidas e o palácio magnífico, foi-lhe respondido que tudo aquilo era seu e de seus soldados. Animado com a perspectiva de glória, pôs-se a caminho, mas no trajeto teve outro sonho, ou uma visão, onde ouviu, segundo a versão da Legenda trium sociorum, uma voz a dizer: Quem te pode ser de mais proveito? O senhor ou o servo? Como Francisco respondesse: 0 senhor, ouviu novamente a voz: Então por que deixas o senhor pelo servo e o príncipe pelo vassalo?. Confundido, Francisco disse: Que queres que eu faça?, e a voz replicou: Volta para tua terra, e te será dito o que haverás de fazer. Pois deves entender de outro modo a visão que tiveste.


O crucifixo de São Damião. Mestre anônimo do século XII, hoje na Basílica de Santa Clara, Assis.


Giotto di Bondone: Renúncia aos bens mundanos, 1297-1299. Basílica de São Francisco de Assis, Assis.
Poucos dias depois, já em Assis, durante uma algazarra com seus amigos, teria sido tocado pela presença divina, e desde então, segundo a Legenda, começou a perder o interesse por seus antigos hábitos de vida e mostrar preocupação pelos necessitados. Eleito "rei da juventude" em um festejo folclórico tradicional, em vez de preparar-se para a entrada em uma vida de casado, como seria o costume, retirou-se, conforme relatou seu primeiro biógrafo Tomás de Celano, para uma caverna a fim de meditar, acompanhado de apenas um amigo fiel, para quem revelou suas preocupações e seu desejo de obter o tesouro da sabedoria e de desposar a vida religiosa. Mas ainda era um período de hesitação. Quando tinha arroubos de devoção e os expressava publicamente, era ridicularizado; tinha pesadelos com uma horrível mulher corcunda, e imaginava que esta era a imagem de sua futura vida de pobreza.
Certo dia saiu em um passeio pelos campos nos arredores, e ao penetrar em uma clareira ouviu o som do sino que os leprosos, proscritos pela sociedade, deviam usar para indicar a sua aproximação, e logo se viu frente a frente com o homem doente. Fazia frio e o leproso tinha apenas trapos sobre o corpo. Francisco sempre sentira repulsa dos leprosos, mas nesse momento desceu de seu cavalo e cobriu o homem com seu próprio manto. Espantado consigo mesmo, olhou nos olhos do outro, e viu sua gratidão, e enquanto ele mesmo chorava, beijou aquele rosto deformado pela moléstia. Este parece ter sido o ponto de virada em sua vida, mas sua vocação não se declarou toda subitamente, e a cronologia desses e outros episódios preparatórios para sua conversão não é clara nas fontes antigas. Também parece ter tentado seguir o ofício de seu pai, mas sem conseguir devotar-se a ele. Ao contrário, estava cada vez mais interessado em ajudar os pobres.
Mas certa feita entrou para orar na igreja de São Damião, fora das portas da cidade, e ali, diz a tradição, ele ouviu pela primeira vez a voz de Cristo, que lhe falou de um crucifixo. A voz chamou a sua atenção para o estado de ruína de sua Igreja, e instou para que Francisco a reconstruísse. Imediatamente voltou para sua casa, recolheu diversos tecidos caros da loja de seu pai e os vendeu a baixo preço no mercado da cidade, e voltou para a igreja onde tivera sua revelação doando o dinheiro para o padre, a fim de que ele restaurasse o prédio decadente. Ao saber disso o pai se enfureceu e mandou que o buscassem. Atemorizado, Francisco se escondeu em um celeiro, onde seu amigo lhe levava um pouco de comida. Passado algum tempo, decidiu revelar-se, e diante do povo de Assis se acusou de preguiçoso e desocupado. A multidão o tomou por louco e divertiu-se apedrejando-o. O pai ouviu o tumulto e o recolheu para sua casa, mas o acorrentou no porão. Alguns dias depois sua mãe, por compaixão, livrou-o das correntes, e Francisco foi buscar refúgio junto ao bispo. O pai seguiu-o e o acusou de dissipador de sua fortuna, reclamando uma compensação pelo que ele havia tirado sem licença de sua loja. Então, para a surpresa de todos, Francisco despiu todas as suas belas roupas e as colocou aos pés do pai, renunciou à sua herança, pediu a bênção do bispo e partiu, completamente nu, para iniciar uma vida de pobreza junto do povo, da qual jamais retornou.[4][5] O bispo viu nesse gesto um sinal divino e se tornou seu protetor pelo resto da vida.


quinta-feira, 28 de março de 2013

PÁSCOA (mensagem)


SUBLIMAÇÃO!
Um senhor de aproximadamente 65 anos de idade caiu na rua e feriu uma das mãos, procurou uma clínica próxima para um curativo, dizendo-se muito apressado, porque estava atrasado para um compromisso.
O jovem médico que o atendeu, quis saber o motivo de sua pressa. Ele disse que precisava ir à uma clínica de idosos para tomar o café da manhã com sua mãe que lá estava internada. Enquanto terminava o curativo, o médico questionou se era aniversário de sua mãe. -não, disse ele, vou todos os dias vê-la, embora, ela já não saiba mais quem eu sou.
O jovem médico observou: - mas se ela já nem o reconhece mais, por que essa necessidade de estar com ela todas as manhãs? O senhor sorriu, deu um suspiro e disse: - doutor ela não sabe mais quem eu sou, mas eu sei quem ela é. E se foi para sua visita matutina rotineira.
O jovem médico pensativo e com leve sorriso de emoção nos lábios, diz pra si mesmo: "esta é a qualidade de amor que gostaria para minha vida! -aceitação (amor verdadeiro) - de tudo que o outro é... -de tudo que o outro foi... E, do que já não é...
Feliz Páscoa pra você!
Com carinho
.
Autor: Não mencionado
Enviado por: Beatriz Caldeira